Artigos

Psicologia e pele: a perspetiva do dermatologista

A ligação mente e pele

A ligação mente-corpo é algo que é fortemente trabalhado pelos praticantes de yoga e nas medicinas alternativa conhecidas como naturopatia. Mas como é que esta ligação se aplica à medicina tradicional?

Você sabe que existe um campo da dermatologia que se concentra em perceber como os factores mentais e emocionais afetam a pele, e como técnicas psicológicas podem ser utilizados para tratar várias doenças da pele? É chamada a psicodermatologia.


“Investigação focada em adultos com acne mostrou que a maioria dos sintomas físicos são acompanhados de ansiedade, stress, ou frustação”


A ligação entre a pele e a mente

Dois dermatologistas de Israel publicaram recentemente um artigo de revisão examinando possíveis ligações psicológicas com condições comuns da pele facial, como acne.1 Os fatores emocionais, como stress ou depressão impactam estas doenças de pele. Com base em pesquisas focadas em adultos com acne, estes doentes muitas vezes se queixam erupções de acne em conjunto com ansiedade, stress ou frustração. 55% relataram uma associação cronológica estreita entre os episódios de stress emocional e o agravamento da acne. Este estudo e outros sugerem que o stress emocional pode ter influência significativa sobre dermatoses faciais, tais como a acne.1

Embora o estados psicológico negativo poder agravar problemas de pele, também há pesquisas que relatam o impacto que emoções positivas podem ter. Joanna Janiszewska, um psicólogo polaco, 1 e outros cientistas têm realizado pesquisas que identificaram o otimismo como um preditor de qualidade de vida em doentes com psoríase.2 O objetivo do seu estudo foi examinar a relação entre a saúde relacionada com qualidade de vida (QV) em psoríase com variáveis demográficas, médicas e outras variáveis psicológicas para determinar os preditores de QVRS (qualidade de vida relacionada com saúde). As suas conclusões foram que o otimismo explica a maior percentagem de variabilidade nos índices QVRS dos doentes.2 Basicamente, o mais otimista a melhor qualidade de vida!

Psicodermatologia em prática

Além de olhar para como os fatores psicológicos podem desencadear (ou melhorar) as questões dermatológicas, a psicodermatologia também se aplica com técnicas de tratamentos do campo da psicologia. Uma aplicação interessante da psicodermatologia é o tratamento de sintomas dermatológicos que não têm diagnóstico claro. Os doentes frequentemente relatam comichão ou um outro sintoma que parece surgir do nada. Práticas como a hipnose ou a psicoterapia não podem curar a causa subjacente aos sintomas, estas práticas podem oferecer alívio. E, finalmente, o que mais importa para mim como médico é melhorar tanto a qualidade física como a emocional da vida dos meus doentes.

Referências

  1. Orion E, Wolf R. Clin Dermatol 2014; 32(6): 763-766.
  2. Miniszewska J et al. Postepy Dermatol Alergol 2013; 30(2): 91-95.
Artigos

A ligação mente-corpo

 

Veja mais

Artigos

Eu e o meu médico contra a urticária

Veja mais

ferramentas